Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009
Andropausa - Disfunção Eréctil após traumatismo: soluções cirúrgicas e não cirúrgicas (tel.)

Telefonema de Manuel trindade, 53 anos, motorista, de Carcavelos:

Há cerca de um ano e meio tive um acidente de trabalho. Fui atropelado com uma máquina e, desse acidente, resultou o estrangulamento da uretra. Fiz a reconstrução e mais quatro cirurgias internas.
Acontece que fiquei com disfunção eréctil e o urologista disse-me que pode ter sido do traumatismo. Gostaria de saber se pode haver alguma solução para o meu caso.
 
Rodrigo Guedes de Carvalho (urologista): O traumatismo da uretra é uma coisa; o traumatismo do pénis é outra completamente diferente.
Pode haver um traumatismo da uretra por uma algaliação e a pessoa fica com uma estenose (um aperto da uretra) e isso não ter nada a ver com a disfunção eréctil.
 
Quando há um traumatismo que também apanha os chamados "corpos cavernosos" (como é uma situação vascular e nervosa), a circulação e a sensibilidade peniana pode ficar afectada.
 
Mas faltam-nos muitos dados. Uma coisa é o que ele tem feito a nível da uretra para poder urinar. A outra é a da disfunção eréctil, que pode ter várias causas. Ele pode ter ficado psicologicamente traumatizado, ao julgar que o acidente lhe afectou o "membro" e pode ter desejo sexual mas não conseguir erecção nenhuma.
 
Uma das coisas que se pergunta sempre é se, durante a noite a pessoa acorda com erecções – parciais ou óptimas –, para saber se todo o sistema vascular está a funcionar. Se isso está a acontecer a este indivíduo, ele pode ter uma recuperação não cirúrgica.
Em situações extremas, quando é seccionada a parte dos corpos cavernosos, existe sempre a possibilidade de colocar uma prótese endopeniana, como se viu na reportagem inicial.


publicado por servicodesaude às 15:20
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
|

Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28